PASSO A PASSO DE COMO ASSENTAR O PORCELANATO

05 de Agosto de 2019
PASSO A PASSO DE COMO ASSENTAR O PORCELANATO

 

 

DEFINA O AMBIENTE QUE RECEBERÁ O PORCELANATO

 

A primeira orientação é definir se o porcelanato vai ser aplicado na área interna ou externa, a fim de escolher a argamassa ideal. Existem quatro tipos no mercado, e esse produto pode ser encontrado na versão em pó ou em pasta (pronta para aplicação).

A superfície e as peças precisam estar limpas e secas, livres de qualquer resíduo que prejudique a aplicação da argamassa. Ao contrário do que muitos pensam, o porcelanato não precisa ficar de molho em água nem estar umedecido para ser instalado.

Quanto ao contrapiso, ele deve estar curado ou pronto há pelo menos 14 dias. É fundamental conferir o caimento da água, especialmente em direção ao ralo. Nos banheiros, o ideal é que tenha uma diferença inferior de 1cm.

Para assentamento de piso sobre piso, é necessário observar as condições do revestimento antigo. A superfície precisa estar nivelada e em bom estado, sem nenhuma peça descolando. Em seguida, o piso de base é lixado para aderir melhor aos novos materiais que serão fixados com argamassa especial para esse trabalho.

O assentamento sobreposto é muito procurado por evitar quebra-quebra, reduzir entulhos e diminuir gastos — em alguns casos, a economia na obra pode chegar a 35%. Os benefícios não valem para rodapés, que precisam ser totalmente substituídos.

 

 

SELECIONE OS MATERIAIS CORRETOS E CUIDE DA ARMAZENAGEM

 

É muito importante que você adquira todo o material antes de pensar em como assentar o porcelanato. Além disso, procure sempre levar um percentual a mais do que o necessário para fazer reposições e resolver problemas com quebras.

Lembre-se também de adquirir os revestimentos de uma só vez. Se comprar em diferentes lotes, as cores e tamanhos das peças poderão apresentar diferenças. Assim que recebê-las, verifique se estão em conformidade com os dados da Nota Fiscal.

Por fim, procure guardar os produtos adquiridos em local fresco e arejado. As informações sobre armazenamento adequado devem ser fornecidas pelo fabricante. Ainda assim, vale seguir algumas orientações básicas, como:

  • manter as embalagens em local coberto;
  • separar caixas de acordo com nome do produto, calibre e tonalidade;
  • empilhar as caixas na vertical sobre estrados de madeira (sempre observar o empilhamento máximo permitido);
  • manter a etiqueta das caixas para fora, de modo que fiquem visíveis.

 

 

 

OBSERVE ALGUNS DETALHES ANTES DE FAZER A APLICAÇÃO

 

Para começar qualquer construção ou reforma, é fundamental conhecer bem o projeto de paginação. Procure definir isso com o azulejista para não haver desperdício de peças, especialmente de modelos mais finos e difíceis de manusear.

Procure inspecionar cada placa antes do assentamento. Os exemplares que apresentarem defeitos aparentes devem ser separados e utilizados como cortes. Feito isso, defina o ponto de início da instalação — o sentido correto é em direção à porta.

Tomando esse cuidado, o instalador não vai pisar nas peças já colocadas. Caso isso aconteça, é grande o risco de quebrar ou desalinhar uma placa. Se preferir, há a possibilidade de esconder as peças recortadas embaixo de uma estante ou sofá.

Também não esqueça de verificar os pontos de água e energia. Nesse processo, procure checar se não há vazamentos, se a impermeabilização está em perfeito estado e se as caixas elétricas estão na posição correta.

 

PREPARE A ARGAMASSA CONFORME ORIENTAÇÕES DO FABRICANTE

 

Misture o conteúdo da argamassa com a quantidade indicada (na embalagem) de água em um recipiente limpo e seco — preferencialmente de plástico. Mexa com uma furadeira lenta ou misturadora elétrica até obter uma consistência firme e pastosa.

Deixe a massa descansar por 15 minutos e, em seguida, misture antes de usar. Fique atento para o tempo de uso do produto. A argamassa tem duração de duas horas e 30 minutos em temperatura igual ou inferior a 20°C. Se após esse período a mistura não for utilizada, deverá ser descartada.

Atenção: não adicione mais água após o preparo da argamassa, pois essa prática pode comprometer a aderência do produto e provocar descolamentos. A mistura de água feita “a olho” ou com a ajuda de objetos de madeira também deve ser evitada.

 

 

APLIQUE A ARGAMASSA PARA ASSENTAR AS PEÇAS

 

Com o lado liso da desempenadeira, espalhe a argamassa. Com o outro (denteado), passe formando cordões. Não se esqueça de usar os espaçadores. Cada porcelanato tem uma dimensão exata para os dentes da desempenadeira, portanto, verifique essa informação antes de escolher o instrumento:

  • peças de até 399cm²: desempenadeira quadrada 6mm;
  • peças entre 400 e 899cm²: desempenadeira quadrada 8mm;
  • peças entre 900 e 1999cm²: desempenadeira quadrada 8mm;
  • peças acima de 2000cm²: desempenadeira quadrada 10mm.

No momento em que é aplicada sobre o revestimento, a argamassa já começa a secar e perder sua capacidade de aderência. Para evitar problemas, verifique o tempo em aberto do produto (em geral não passa de cinco minutos) e procure fixar a peça rapidamente.

Como assentar o porcelanato: coloque a peça sobre a superfície desejada e pressione com as mãos, batendo com o martelo de borracha até que fique bem colada. Só tome cuidado: quanto maior o tamanho da placa, maior o risco de quebra devido ao impacto do martelo. Se isso acontecer, a dica é aplicar menos força na batida ou usar uma desempenadeira de borracha.

Atenção: o verso das placas traz setas, números ou palavras que são propositalmente posicionados pela fabricante. Por isso, é importante alinhar esses sinais em um mesmo sentido para que o assentamento não apresente irregularidades.

 

CONSIDERE O TAMANHO DO PORCELANATO

 

O tamanho das placas interfere no modo de assentar o porcelanato. Se as peças instaladas forem pequenas, o correto é rebocar a parede antes. Em modelos maiores, com dimensões iguais ou superiores a 30×30cm (900cm²), é aconselhável passar a argamassa também no tardoz (parte de trás da placa).

Esse processo é chamado dupla colagem e é necessário para que todo o espaço entre o substrato e a peça fique preenchido com argamassa. Quando feito corretamente, previne o descolamento e evita o surgimento de diversas patologias na obra.

O ideal é que a dupla colagem seja feita com cordões em sentido paralelo para garantir até 25% mais aderência. Já os cordões circulares ou cruzados criam bolhas de ar que diminuem a resistência mecânica e, por esse motivo, devem ser evitados.

Para o esmagamento dos cordões, é preciso assentar o revestimento em um ponto 5cm distante da localização final. Em seguida, deve-se arrastar a peça no sentido diagonal até chegar em sua posição correta. O procedimento é necessário para qualquer tamanho de placa, inclusive modelos menores.

 

LIMPE AS PEÇAS APÓS O ASSENTAMENTO

 

Enquanto as peças são aplicadas, é necessário eliminar o excesso de argamassa. Para isso, a superfície do porcelanato deve ser limpa com auxílio de uma esponja ou pano de algodão úmido. Esse processo precisa ser realizado até uma hora depois de assentar o revestimento para evitar o endurecimento da argamassa — que pode danificar o piso.

Entendido sobre como assentar o porcelanato, você já pode partir para a etapa final do acabamento, que será realizada após 72 horas com a aplicação do rejunte.

 

UTILIZE O REJUNTE CERTO PARA CADA PISO

 

O rejunte é tão importante quanto o piso escolhido, afinal, vai garantir o bom acabamento e evitar fissuras ou infiltrações que causam mofo, bolor e descolamento de peças. O produto tem como principal função vedar o revestimento, mas também ajuda a compensar possíveis irregularidades, facilitando o alinhamento das placas.

Para ter sucesso nessa etapa, é importante utilizar o rejunte certo, fornecido por uma marca de qualidade. Existem três tipos no mercado:

  • cimentício: com acabamento áspero, é composto por cimento e agregados minerais. Pode ser usado no lado interno e externo, bem como em áreas molháveis. Na aplicação, a distância entre peças deve ser de 3 a 10mm;
  • acrílico: com acabamento mais liso, é composto por cimento, resina acrílica, agregados minerais, pigmentos, aditivos e polímeros. Na aplicação, a distância entre peças deve ser de 1 a 3mm;
  • epóxi: é um bicomponente à base de resina que garante acabamento de excelente qualidade. Apresenta elevada resistência química e mecânica, é impermeável e resistente a fungos e manchas. Permite manter distâncias menores que 3mm entre as peças.

Quanto à cor do rejunte, é possível escolher tonalidades semelhantes ao piso ou que contrastem com a superfície. Tudo vai depender do estilo que se quer obter no ambiente. Em construções litorâneas, por exemplo, o ideal é optar por produtos escuros ou com tons de areia para disfarçar as manchas que surgem com maior frequência.

Para fazer o rejunte, é importante limpar e umedecer as placas com água. O produto tem um prazo de utilização (em torno de duas horas) e deve ser preparado de acordo com as orientações do fabricante.

A aplicação do rejunte se faz com desempenadeira de borracha a aproximadamente 45° da superfície, na diagonal das juntas. Durante o processo, deve ser utilizada pressão adequada para garantir que o produto aderiu ao substrato.

É importante rejuntar toda a área de uma vez só, já que as variações do clima podem interferir na secagem do produto e na aparência do piso. Após a aplicação, deve-se remover o excesso de rejunte e aguardar a cura por 20 minutos.

Por fim, basta limpar a superfície com esponja úmida, fazendo movimentos circulares. É necessário repetir a operação até que todas as juntas fiquem lisas e no mesmo nível das bordas do porcelanato.

 

 

AVALIE OS RESULTADOS

 

Depois de aguardar o tempo de cura da argamassa, confira a aderência dando leves batidas em regiões de recortes ou locais próximos de tomadas. Observe também se existem peças fora do plano. É fácil: passe um cartão nas juntas e perceba se o objeto desliza ou enrosca.

Outra avaliação é quanto ao nivelamento das peças. No caso do porcelanato retificado, no qual o rejunte deve ter no máximo 2mm de distância entre um revestimento e outro, uma diferença de 1mm já é percebida. Agora, se as placas tiverem um espaçamento maior (5mm, por exemplo), a diferença de 2 ou 3mm não ficará tão aparente.

Após todas essas dicas de como assentar o porcelanato, você já pode preparar o projeto e seguir para a obra. Mas alguns cuidados finais são necessários para que o resultado arranque suspiros. Afinal, o porcelanato é um dos revestimentos mais requisitados exatamente pela beleza, praticidade e resistência, além de ter como característica principal a baixa absorção de água.

LIBERAÇÃO DO TRÁFEGO

A passagem de pessoas nos ambientes internos só deve acontecer depois de sete dias do processo de assentamento. Para o uso dos profissionais na obra, está liberado o tráfego (com os devidos cuidados) após 72 horas.

MANUTENÇÃO DAS PEÇAS

Um piso, parede ou qualquer outra superfície precisa de cuidados preventivos para que dure longos períodos e mantenha a boa aparência. No caso dos porcelanatos, a limpeza diária com água e detergente neutro é suficiente, já que produtos ácidos ou básicos podem danificar as peças. Esponjas e escovas abrasivas também devem ser evitadas.

Percebeu como assentar o porcelanato não é uma tarefa tão difícil quanto parece? Para ter sucesso, é fundamental respeitar a ordem correta das etapas e cumprir as especificações contidas nas embalagens dos produtos. Com a ajuda do passo a passo, você com certeza terá bons resultados nesse tipo de trabalho!